Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Sem título!

por Bruno Ferreira, em 16.02.10

 

Está tudo pronto? Espero que estejam porque vou aqui contar uma história. Não, não vou nada, porque assim teria que escrever muito e não me está apetecer nada disso. Muito bem, eu queria vir aqui contar a história de talvez o único amor da minha vida, sim eu sei, que lamechas, mas a nossa vida também tem disto. Mas para contar essa tal história, teria que começar por algum lado, mas o problema é esse, eu não sei por onde começar. Agora vocês diziam “Começa pelo inicio”, mas o problema é que o inicio, foi algum tempo, antes de escrever estas tantas palavras. E que tal começar por “Era uma vez”, não, porque foram sete ou oito vezes, não me lembro muito bem, o que interessa é que foram mais de cinco, que namorei com esta rapariga de cabelos loiros, e de olhos verdes, de nome Inês. Desenganem-se, que não vou falar da Inês de Castro, vou sim falar da minha relação de anos com esta humana que parece ter roubado o meu coração durante muito tempo. Pronto, vamos lá ao que interessa. E se me permitem vou recuar no tempo uns setes anos atrás.

 

Decorria o ano de 2004 ou 2005, como podem ver a minha memória não é muito boa. Quando, naquela altura, andava na catequese, como a maior parte de vós. Quando num Sábado, normal como tantos outros, uma outra turma de catequese, juntou-se á minha, para termos uma aula todos juntos, quando vejo uma rapariga a sentar-se atrás de mim, parecia que era uma sereia acabada de sair do mar, era a rapariga que me chamava mais atenção naquele sala, e como miúdo que era, vocês sabem, senti logo á primeira vista, que viria a desenvolver laços de amor com a tal rapariga, e sabia isso porque o meu coração dava sinal ao bater mais depressa que um Ferrari, parece que ainda o sinto, quase a sair-me pela boca e o seu barulho “ Pum Pum Pum Pum”. Isto tudo aconteceu quando se dava a minha entrada para o 5º ano de escolaridade. Um ano passou, e os meus olhos só tinham o prazer de a ver de longe a longe, porque ela não andava na minha escola, e a única hipótese de a ver, era aos Sábados, e mesmo assim não era sempre. Pois bem, como disse, um ano avançou, e segui para o 6º ano, e para grande surpresa minha, a minha deusa, naquela altura, viria a vir para a minha escola, ainda me lembro do nosso primeiro encontro. A jogar futebol, e do nada, ela manda a bola contra mim, sem razão nenhuma, eu logo ali, vi que era para meter conversa comigo (convencido eu sei). Depois com alguma vergonha, e acreditem, uma grande vergonha, trocávamos mensagens, papeis, atrás de outros intermediários, mas um dia, não sei se fui a pedir, ou ela a pedir-me a mim, não interessa, mas começamos a namorar pela primeira vez.

 

Andamos uma semana, sem exagero, e já éramos namorados, mas tínhamos vergonha, e não dirigíamos a palavra um ao outro, nem sequer, nos olhávamos. Vá, sejam compreensivos, éramos de tenra idade, nem sabíamos o que era bem “namorar”, mas lá nos fomos arranjando. Claro que não sei se foi da primeira vez que namoramos, que demos o nosso primeiro beijo, no meio de tantos, perdi a conta, mas vamos avançar. Trocamos bilhetes, a vergonha foi passando, e o nosso amor foi aumentando. Sei que a desiludi muitas vezes, e ela a mim, mas foi isso que levou-nos, a namorar tantas vezes, mas o que importava, era que eu gostava dela, e ela de mim. Outro papel fundamental na nossa relação foi, termos nos encontrado na mesma turma de catequese, onde ás contas disto, fomos a um retiro juntos (para quem não sabe, é um fim-de-semana fora, só jovens) e foi desse retiro, que surgiu mais um namoro entre nós. Muito jovens, ficávamos lado a lado, perante as aulas de catequese, e até na missa, juntos fomos para um coro, e juntos permanecemos até hoje. Mas já lá vamos. Como vos disse, namoramos muitas vezes, mas na minha passagem do sétimo para o oitavo ano, houve uma distância entre nós. Creio que ambos já estávamos cansados do que nos estava sempre acontecer, daí a razão desta distância, mas mesmo assim íamos trocando poucas palavras por msn. Mas o mais provável viria acontecer. Tanto ela, como eu, saímos da catequese, e nunca mais nos vimos, e para grande tristeza minha, no nono ano, não consegui passar para o décimo, como tal, reprovei. E com tantas turmas, em qual é que eu fui calhar? Pois, na da Inês. Logo no inicio, havia um clima estranho entre nós, mas era normal, tanto tempo sem nos vermos, mas isso viria a desaparecer. Logo no primeiro período, namoramos mais uma vez, e viria a ser a ultima. Parecia que daquela vez ia funcionar, mas estava enganado. Trocamos beijos, abraços, palavras de amor, mas não viríamos aguentar, o forte passado que tínhamos, mas isso, não acabou com a nossa amizade, que se mantém até hoje. O ano lectivo passou, olhares foram trocando, até cheguei a levar um estalo (sim Inês, ainda me lembro), mas sei que não foi por mal. E para selar o nosso amor, numa aula de Matemática como qualquer outra, já sendo eu amigo dela, ela dá-me um último beijo, que eu senti, tal como ela, que foi um beijo de despedida. O ano terminou, e meses passei sem a ver, até que ela me fez uma visita, onde eu estudo, e acreditem que foi tão bom revê-la, e voltar a sentir o seu cheiro, a ver os seus cabelos, olhos, tal como na primeira vez que a vi.

 

E pronto, não existem palavras suficientes para descrever a minha história com esta rapariga, creio que nem uma imagem conseguia descrever tudo o que nós vivemos. Mas fica aqui a marca, que a vida da voltas e voltas, e existem coisas que nunca se esquece, e tu Inês és uma delas. Mas não me vou embora, sem deixar aqui algumas palavras da Inês em relação à minha pessoa:

 

 És tão engraçado, tens sentido de humor, és simpático, patético as vezes mas isso, fazias-me rir sempre, para mim és perfeito, sempre foste, desde que te conheci”

 

P.S. Eu amo-te!

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Inês a 16.02.2010 às 20:51

Nunca me vou esquecer de ti Bruno.. foste o amor da minha vida, não sei o que ainda vou viver mas sem duvida estás na minha historia para sempre =)
Sem imagem de perfil

De Dulce Pereira a 18.02.2010 às 17:40

Os amores que se tem nestas idades, enquanto jovens, são mais armoniosos que muitos, amores já em adultos.
Sem imagem de perfil

De a Debrecen a 02.01.2012 às 15:32

Eu juro que se há coisa que me toca no coração e me coloca em contacto com o meu lado mais sensível são estas histórias, estas narrações de paixões juvenis, impulsivas e utopistas. Dá vontade de ir ''ali'' e apaixonar-me!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Twitter


A Jogar:



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D